Das coisas que só se aprende quando se resolve abrir as asas e sair do ninho.

Humildade é um valor necessário e, se você não aceitar isso, vai ter sempre alguém mais – bem mais, muito mais – inteligente e esperto que você para te provar que sim. Em meio à correria do dia-a-dia você vai desacreditar da bondade das pessoas e bem depois vai aparecer, no pico de meio dia ou às 7h da manhã, dentro de um ônibus lotado, alguém extremamente gentil que vai pedir para segurar os seus livros e sua fé na humanidade vai ser restaurada. E só então vai entender que gentileza é um valor tão necessário quanto humildade. Vai acabar concluindo que as duas andam juntas. Acredite.

Descobre que vai ter momentos onde o melhor a se fazer é colocar a mochila nas costas e dar meia-volta. Trinta minutos depois vai suspirar porque lá no fundo o coração sabe que não tem volta e caminho só se tem para frente. E vai rir. E vai se sentir grato por estar onde está. Vai sonhar, planejar, arquitetar os próximos passos e feitos. Então tudo é lindo outra vez e as possibilidades são tantas. Vai chegar um ponto em que irá se ver todo enlaçado: com pessoas, ideais, lugares e possibilidades. Vai descobrir que aprender é um presente que se soma.

Vai descobrir que saudade dói. Muito. Demais.
Vai compreender que o amor não se esgota com a distância. Não o verdadeiro.

Vai descobrir que somos todos diplomatas. Que saímos por aí fazendo acordos, criando vínculos, abrindo embaixadas e mais embaixadas nas vidas alheias. Você descobre que, apesar de sempre ter para onde voltar e que lar é, de fato, onde seu coração está, nenhum lugar do mundo te pertence: você pertence ao mundo.


T. ♥