01 #Wishlist: I wish… BOOKS! ♥

fotografe um livro2

Uma amiga querida me deu a ideia de escrever uma listinha com os livros que quero ganhar esse ano. Resolvi fazer melhor: criar a listinha aqui no blog. Assim vocês, ela e até minha mãe, podem, sei lá, querer me presentear com algum. Nunca se sabe quando alguém vai resolver ser gentil, não é? Haha!

Na verdade, a lista é mais para eu poder me organizar mesmo. Eu tô querendo faz um tempo esses livros e espero que em 2016 consiga pelos menos comprá-los. São só “8”. Fui realista na hora de listá-los.

 

wishlist1

 

MINI-SINOPSE ♥

  “No ano que completei noventa anos, quis presentear-me com uma noite de amor louco com uma adolescente virgem”. E é assim, sem rodeios, que Gabriel García Márquez nos apresenta a história deste velho jornalista que escolhe a luxúria para provar a si mesmo, e ao mundo, que está vivo. Primeira obra de ficção do autor colombiano em dez anos, “Memória de Minhas Putas Tristes” desfia as lembranças de vida desse inesquecível e solitário personagem em mais um vigoroso livro de Gabriel García Márquez.

  • 02 ♥ A Arte de Argumentar

    Entrou para lista dos desejados quando passei a frequentar alguns encontros da Sociedade de Debates UFC e eles indicaram como leitura para quem quer aprender um pouco mais sobre retórica e argumentação. Já tentei ler em PDF (porque não tá $fácil$, amigos!), mas não encontrei na internet. Quero muito, muito ler. Estudar retórica e argumentação é até uma das metas do 101 coisas em 1001 dias.

MINI-SINOPSE ♥

 A argumentação está no cerne do funcionamento de nossa sociedade, em três níveis: político, midiático e profissional. Este livro se destina a estudantes dos primeiros anos da universidade, e tem o objetivo de ajudá-los a preparar-se melhor para exames e concursos, mas também para a vida profissional; é igualmente útil para profissionais já inseridos que desejem aperfeiçoar sua formação e professores do ensino médio.

MINI-SINOPSE ♥

A obra contém relatos de histórias do período em que a autora atuava como advogada “pro bono” em vários casos. Trata-se de um trabalho muito bonito e comovente, com casos que nos fazem refletir sobre a vida e todos os ensinamentos que estão à nossa disposição, mas que, na correria do dia-a-dia, não paramos para avaliar.

  • 04 ♥ V de Vingança

    Tem nem o que falar, gente. O filme é um dos meus preferidos da VIDA. Ainda não tive a oportunidade de ler a obra literária, por isso quero muito. Já vi ele lá na livraria Cultura e quase saí de lá chorando sem ele.

MINI-SINOPSE ♥

Londres. Cinco de novembro de 1997. Numa Inglaterra dominada por um regime totalitário, uma figura misteriosa chamada simplesmente V, usando vestimentas e uma máscara que evocam a imagem de um infame personagem histórico britânico, desponta no horizonte como a única chance de que haja liberdade novamente. Chegou a hora de alguém levantar a voz e dar um basta à situação vigente… Um verdadeiro marco na história da narrativa gráfica, V de Vingança é um hino à resistência e à necessidade de liberdade. Sua importância é tão grande que até hoje é apontada como uma das melhores publicações do gênero, tendo, inclusive, influenciado os irmãos Wachowski (criadores da trilogia Matrix) a produzir um excelente filme baseado na obra.

MINI-SINOPSE ♥

Obra-prima de Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby é o romance americano definitivo sobre os anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial. O texto de Fitzgerald é original e grandioso ao narrar a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece – Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.

MINI-SINOPSE ♥

Nesse segundo volume, a Autora se propõe a relatar experiências no exercício da advocacia “pro bono” e outras crônicas de situações cotidianas relativas aos direitos.

MINI-SINOPSE ♥

Quais São Nossos Deveres para com os outros como pessoas de uma sociedade livre? O governo deve taxar o rico para ajudar o pobre? O livre mercado é justo? Pode ser errado, às vezes, falar a verdade? Matar pode ser moralmente necessário? É possível, ou desejável, legislar sobre a moral? Os direitos individuais e o bem comum conflitam entre si? O curso “Justiça” de Michael J.Sandel é um dos mais populares e influentes na Universidade de Harvard. Quase mil alunos aglomeram-se no anfiteatro do campus para ouvir Sandel relacionar as grandes questões da filosofia política aos mais prosaicos assuntos do dia e, neste outono, a rede pública de televisão transmitirá uma série baseada em suas aulas. Justiça oferece aos leitores a mesma jornada empolgante que atrai os alunos de Harvard. Este livro é uma exploração investigativa e lírica do significado de justiça que convida os leitores de todas as doutrinas políticas a considerar as controvérsias familiares de maneira nova e iluminada. Ação afirmativa, casamento entre pessoas do mesmo sexo, suicídio assistido, aborto, serviço militar, patriotismo e protesto, os limites morais dos mercados — Sandel dramatiza o desafio de meditar sobre esses conflitos e mostra como uma abordagem mais firme da filosofia pode nos ajudar a entender a política, a moralidade e também nossas convicções. Justiça tem vida, provoca o raciocínio e é sábio — uma nova e essencial contribuição para a pequena prateleira dos livros que abordam, de forma convincente, as questões mais difíceis da nossa vida cívica.

  • 08 ♥ Coleção “As Grandes Ideias de Todos os Tempos” 

    Se não me engano, são 10 livros no total. Sou louca por eles por motivos de: parecem ser muito dinâmicos e falam de assuntos importantes e AS EDIÇÕES SÃO LINDAS. Não sei lidar. Eu gosto muito de ter os livros, mas gosto AINDA mais de livros em edições bonitas. Tipo aquelas dos livros da Jane Austen todos trabalhados em pano, sabe? Sofro muito nas livraria quando encontro. Sofro ainda mais com os preços. Vou colocar a sinopse e o link do Livro da Psicologia, porque se for colocar de todos o post fica muito extenso.

MINI-SINOPSE ♥

Seja ao candidatar-se a um novo emprego, buscar apoio para fobias ou compulsões, receber orientação sobre como melhorar o desempenho dos filhos na escola, a aplicação dos estudos da psicologia acompanham decisões e comportamentos a todo momento. Apesar disto, esta ciência ainda é uma área do conhecimento misteriosa para muitas pessoas. Muito além dos estudos de Freud e Jung, O Livro da Psicologia traz um panorama completo e detalhado sobre essa ciência da mente e do comportamento. Nele, a psicologia é abordada a partir de suas raízes filosóficas (desde as reflexões feitas por Descartes, ponto de partida da noção fundamental de subjetividade) e fisiológicas (com destaque para o neurologista francês Jean-Martin Charcot e seu diagnóstico dos mecanismos causadores da histeria). O entrelaçar dessas duas áreas permitiu que, em 1879, fosse dado o primeiro passo para a constituição da psicologia como ciência por meio da criação por Wilhelm Wundt do primeiro laboratório de psicologia experimental na Universidade de Leipzig, na Alemanha. O livro segue a mesma proposta de conteúdo e projeto gráfico de O Livro da Filosofia. Seguido de uma perspectiva cronológica, e com o apoio de esquemas e gráficos, a publicação destaca autores e contextualiza suas descobertas, traz um glossário, com os principais termos e teorias, além de conter um capítulo dedicado a apresentar os cientistas e psicólogos que ajudaram a aprofundar o conhecimento desenvolvido ao longo das décadas. O Livro da Psicologia é o mais atualizado livro sobre o tema, uma obra que despertará reflexões, destruirá preconceitos e instigará o leitor a buscar o autoconhecimento.

Me adicionem lá no Skoob!  ❤ 

Anúncios

Direito: minhas primeiras impressões ♥ Parte I

DSCF8522

Desde que eu entrei na faculdade, sabe-se lá o porquê, um número significativo de pessoas me procura para esclarecer algumas dúvidas sobre o curso de Direito. É amigo, é amigo de amigo, é primo, é namorada de primo, é desconhecido que ouviu falar de mim através de uma tia, gente que lê o blog e por aí vai. Baseada nisso e levando em consideração que o blog tem como finalidade, também, expor informações que venham a ser úteis, eu resolvi trazer as minhas primeiras impressões sobre o curso.

Primeiro semestre ou como a gente carinhosamente chama lá na FFB, S1:

O primeiro período do curso de Direito – pelo menos na minha faculdade e nas que eu tenho conhecimento – é essencialmente introdutório. O que isso significa? Significa que você vai cursar disciplinas básicas como Filosofia, Antropologia e Sociologia. E não, nada de muito novo, para falar a verdade. Você vai ler Aristóteles, Platão, Tomás de Aquino, Marx, Foucault, Sócrates, Hobbes, Rousseau etc. Todos já são velhos conhecidos nossos lá do ensino médio, pelo menos assim espero. Eu tive Sociologia e Antropologia no segundo semestre, mas os detalhes desse ficam para a segunda parte do post. No meu caso, o primeiro contato com Direito propriamente dito foi nas disciplinas de Ciência Política e Teoria do Estado e Organização Institucional do Estado. A impressão que você tem, inicialmente, é que está estudando um Constitucional basicão. E, de certa forma, é isso mesmo. São nessas disciplinas que nós temos o primeiro contato com a Constituição Federal.

Eu diria que a disciplina mais “do Direito” seria, porém, Conceitos Jurídicos Fundamentais – em todas as outras faculdades essa disciplina se chama Introdução ao Estudo do Direito, sabe-se lá o porquê a minha resolveu inovar. É onde nós vamos ser, como já diz o próprio nome, introduzidos ao estudo jurídico. Nomenclaturas antes nunca vistas e o primeiro contato com a doutrina. É aqui que entra na sua vida Hans Kelsen, Miguel Reale, Paulo Nader, Bobbio e muitos outros carinhas às vezes um pouco complicados de entender – Kelsen taí para provar isso. Foi em Conceitos que eu tive contato com o meu primeiro caso, o clássico Caso dos Exploradores de Caverna – que se você tiver curiosidade, é um livro de autoria do Lon L. Fuller – onde o caso deveria ser apresentado em forma de júri simulado. O meu primeiro e inesquecível júri, onde fui membro da promotoria ao lado de duas grandes amigas. Por sinal, nós conseguimos a condenação dos réus e nota máxima no trabalho.

Tive uma cadeira de Linguagem e Produção Textual, que é… português. Uma espécie de revisão e preparação para o conhecimento da linguagem jurídica, mas nada muito técnico ainda, sabe? Também tive Ética e Pensamento Filosófico que não é nada além de Filosofia Geral e eu já falei dela lá em cima.

Quase esqueço de Teoria do Direito e Epistemologia Jurídica, que é uma disciplina que exige MUITA leitura. É trabalhada a construção científica do Direito, o conceito de justiça, a ciência do Direito como teoria de interpretação, noções de argumentação e a relação do Direito com as outras ciências. Eu tive contato com as obras do Ihering, do Beccaria, Rousseau e vários outros. Essa é uma disciplina que daria uma conversa de horas. Talvez seja a minha preferida do primeiro período, mas só talvez. ❤

De uma forma bem geral, eu acredito que seja um dos semestres – se não o semestre – mais teóricos do curso. Porque o contato com casos é mínimo e você tem quase nenhuma noção das leis. Isso talvez seja difícil para alguns que escolhem o curso achando que vão ter muitos casos para resolver assim, de cara, sabe? Às vezes alguns se desiludem ali mesmo e desistem. Eu vos digo, queridos: persistam! O melhor está por vir. ❤

A continuação vocês acompanham na segunda parte do post.

Desafio Mais Cultura 2016

Dia chuvoso abre espaço para gente se enfiar debaixo das cobertas e passar o dia vagando pela internet, sem preocupação. Foi assim que eu achei o “Desafio Mais Cultura 2016”.

12376826_993066197430159_1638836271114427254_n

Na hora que li, pensei: vou fazer! Mas é aquela coisa, a gente se compromete, guarda a lista, vai passando o tempo, cumpre um, vai passando o tempo e passando e passando. Quando percebe, já acabou o prazo e nada. Então eu resolvi compartilhar aqui no blog, assim a “obrigação” de cumprir se torna pública e, dessa forma, mais séria.

Então, challenge accepted!

Caso alguém aceite o desafio, comentem como está sendo/foi!

Feliz ano novo, pessoal. Beijo grande! ❤

Fortalezando: Dragão do Mar

Com visita marcada e companhias para lá de especiais, fui ao Centro de Arte e Cultura Dragão do Mar, ali pertinho da Praia de Iracema. Já conhecida a noite do Dragão, que, por sinal, é para todos, e quando digo todos é TODOS mesmo. Acho que se me pedissem para resumir o local em uma palavra seria diversidade. As fotos foram feitas, na verdade, para um trabalho do curso de Jornalismo de uma amiga muito querida. Dessa forma, não são todas de minha autoria. Mas é claro que eu aproveitei e resolvi fazer post aqui no BCH. A ideia era fotografar a arquitetura do lugar. Meus eternos agradecimentos a Lívia Lira, pelo convite, e a Rafa Palhano, pela companhia.

Quanto ao local: já expliquei no post anterior do projetinho “Fortaleando” que as fotos serão expositivas. Tento falar o mínimo possível. O ideal mesmo é que as pessoas sintam curiosidade em conhecer os locais – e Fortaleza como um todo – através das fotos. Porque nós bem já sabemos: uma imagem vale mais que mil palavras.

Não esqueçam de conhecer a cidade de forma compartilhada. Usem a hashtag #Fortalezando nas redes sociais!

♥ O melhor de Agosto/Setembro/Outubro ♥

melhoresdomesInício de post por aqui já cheira a justificativa e a culpada da ausência é uma só: a falta de tempo. A graduação tem me consumido. Não. Não tô reclamando. Graças a Deus só tenho o que agradecer. Principalmente pela falta de tempo. Inicialmente esse post reuniria os achados dos meses de agosto e setembro, mas… outubro acabou entrando na cota também. Precisa nem dizer o porque, né? Só assim para eu não ficar em dívida com vocês. Para vocês terem noção do quanto eu não li muita coisa nesses últimos três meses na internet, o post só rendeu 7 indicações.

01. A doce vida de um advogado

02. Deixa ser

03. Já fui para Paris na minha imaginação

04. Palavras “intraduzíveis” em ilustrações.

05. A verdade por trás das fotos do Instagram

06. Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda

07. Consumo consciente: conheça o armário-capsula.

50 fatos sobre mim ♥

Por conta da indicação e pedido do meu amigo Wagner Lima para que eu respondesse a TAG: 50 fatos sobre mim, cá estou eu. O post deveria ser um pouco menor, mas eu não me contenho. Abaixo segue a lista que diz muito mais que  50 fatos sobre esta que vos escreve.

01. Meu nome é Thaís. Com TH, nada de y, i acentuado. Escrito fica bem óbvio, mas é assim que eu respondo em 99,9% das vezes em que alguém pergunta meu nome. Era para Giulia. Sim, com a pronúncia italiana. Tudo bonitinho, sonho da mamãe. Porém ela constatou que todos chamariam de Júlia e resolveu colocar Thaís. Com TH… pois é. Ironia do destino ou não, minha afilhada hoje se chama Júlia. É, nada de pronúncia italiana.

02. Eu sou uma geminiana clássica. E como tal, sou 8 ou 80. Sempre nos extremos. Super paciente ou tolerância zero. Muito arrumada ou 100% nem aí. Alternância de humor, desembestada para falar, fome de mundo, versatilidade, brainstrom etc etc etc. Não sei dizer se é algo bom ou ruim, só sei que faz parte do pacote.

03. Sou uma louca apaixonada pela família. É meu bem maior. Deus me livre de dar algo que não seja orgulho, felicidade e motivos para sorrir (e chorar, se for de felicidade, pode, tá?) a minha família.

04. Meu paladar é deficiente. Só isso pode explicar o fato de eu não conseguir misturar doce com salgado. Goiabada com queijo, passas no arroz? NUNCA!

05. Meu canal de TV preferido é o GNT.

06. Meus programas preferidos são o Saia Justa e o Chegadas e Partidas. Sempre choro. Ambos do GNT.

07. Organizado minhas roupas por cores porque me sinto confortável dessa forma e ponto. (Minha mãe odeia. Beijo, mãe!) Assim eu consigo visualizar melhor as roupas. Descobri que não tenho uma queda, mas sim uma fixação por preto e branco. Por algum motivo ainda desconhecido, também tenho muitas peças que misturam os dois – listras e poá <3. Sabe lá Deus o porquê, tenho um número significativo de blusas laranjas.

08. Dou bom dia/boa tarde/boa noite e agraceço a todos os trocadores e motoristas dos ônibus que pego. Mesmo que eles não respondam – e a maioria não responde. Há quem critique… fazer o quê, né?!

09. Sou terrível em guardar dinheiro. Sempre tem um livro, uma sapatilha, um filme, uma blusa ou um sorvete que eu quero muito. Vou lá e compro. Me arrependo. Digo que não vou mais cair em tentação. Caio. E o ciclo recomeça.

10. Adoro dar presentes! Mais um dos motivos do porque não consigo guardar dinheiro. É pai, é mãe, é irmão, é afilhada, é amigo, é primo. “AH! Vamos fazer amigo secreto! E amigo doce! E amigo da onça! E…!”

11. Quando gosto muito de uma música, eu a escuto várias e várias e várias vezes seguidas. Por dias, semanas. Herdei essa mania da minha mãe, meu irmão herdou de mim e meu pai odeia. (Beijo, pai!)

12. Tenho 1,62 de altura e peso 62 quilos.

13. Sou viciadinha no programa talk show do Jô Soares! (Adoro o Jô! Beijo, gordo!) Assisto na TV sempre que dá e, quando não, vejo no youtube.

14. Tenho playlist para todos os momentos da minha vida. Sério. Para os que já foram, os que aqui estão e os que virão. Obrigada, spotify.

15. Na minha família todo mundo faz aniversário na casa dos 20. Na ordem: papai – 20, eu – 23, meu irmão – 26 e mainha – 27.

16. Depos que entrei na casa dos 19, meu corpo reclama como se eu tivesse 25, sei lá. Passei a sofrer (ainda mais) de ansiedade e tenho um sono sem fim na hora errada – passo o dia inteiro querendo dormir e à noite não tenho sono. Dizem que quando a cabeça não pensa, o corpo padece. No meu caso a cabeça tem pensado demais.

17. No colégio a disciplina que eu mais gostava era História (e Português <3! Não consigo escolher entre as duas).  A que eu odiava menos gostava era Espanhol, mais conhecida como A Pedra no Meu Sapato. Até o primeiro ano eu nunca tinha zerado um trabalho/prova, até fazer minha primeira prova de Espanhol.

18. Eu absorvo as pessoas, sobretudo suas manias, de uma forma muito rápida. O que me incomoda muito, para ser sincera. Do nada eu me pego falando igual a fulano, gesticulando igual a ciclano. E, apesar de achar que nós somos mesmo a mistura das pessoas que passam pela nossa vida, eu acho um pouco não-autentico. Sigo tentando amadurecer nesse ponto.

19.  Eu tenho muito, muito, muito – é algo imensurável, sério – orgulho da educação que os meus pais me deram. Tudo muito humilde, realista, pés no chão. Se me perguntassem se eu mudaria algo, se faria algum desvio de rota, a resposta viria de prontidão: nunca.

20. Eu já estudei e fiz teatro por muitos anos.

21. Já fui locutora e redatoda de um programa na rádio local. Entre os meus 13/15 anos.

22. Eu sou do que Cazuza chamou de “turma do abraço”. Meu negócio não é somar é multiplicar, sozinho eu não dou conta. Diferente do que as pessoas pensam, eu sou bem aberta a novas amizades. O meu grupo de amigos (lato sensu) só se expande.

23. Tenho muita fome de mundo. Meus pais me criaram para o mundo, tenho sempre essa impressão. Meu pai cantava e canta para mim até hoje que “… ter saudade até que é bom, é melhor que caminhar sozinho. A esperança é dom que eu tenho em mim, eu tenho sim.”

24. Odeio abacaxi e tudo que dele deriva.

25. Amo cachorro, não curto gato.

26. Sou uma cinéfila “pao-com-ovo” ou “meia-boca”, como preferir. Eu sou crítica, mas não tenho muita técnica. Por falta de tempo para estudar o assunto e, depois que comecei a faculdade, para assistir filmes, o que me faz sofrer bastante, porque eu sou apaixonada pela sétima arte.

27. Sou acadêmica de Direito, apaixonada pelo curso. Todos os dias eu tenho ainda mais certeza que fiz a escolha certa.

28. Eu gosto de estudar, o que facilita o bom desempenho nas minhas atividades acadêmicas. Sempre me dedico muitos aos projetos que me proponho a fazer. Não encaro a faculdade apenas como um projeto de retorno financeiro.

29. Tenho uma vaidade intelectual muito forte, o que explica o fato de eu não encarar a faculdade somente como fim lucrativo. Aprender, conhecer… me faz bem. Não é, nem de longe, um fardo. Quem me conhece sabe.

30. Tenho interesse em adentrar, quem sabe, futuramente, na esfera política.

31. Apesar de ter umas crises de pessimismo – as bads da vida, né – de uma forma bem geral, eu sou muito otimista. Sempre consigo ver proveito, tirar algo bom de uma situação ruim, aprender com os erros. Sempre. Isso me ajuda muito a vencer as lutas travadas diariamente.

32. Eu escrevo cartas para ninguéns.

33. Sou uma pessoa muito maternal, o que às vezes irrita os meus amigos. Fico aconselhando, dando bronca, puxando orelha. Faço a linha tiazona sem nenhuma vergonha.

34. Adoro bater perna em shopping sozinha, sem ninguém falando ao lado, me apressando. Para mim é uma terapia.

35. Também prefiro ir ao cinema sozinha. Pelos mesmo motivos que vou ao shopping sozinha.

37. Sou míope, estrábica e astigmata.

38. Quando criança, eu fugi de casa umas três vezes.

39. Sou cristã, católica. Sou devota de Santa Rita de Cássia, santa das causas impossíveis. De fazer promessa e tudo. Costumo dizer que a fé por Santa Rita foi herança da minha vó Bia.

40. Sou quase uma stalker profissional. Do tipo de, se bobear, eu descubro rg, cpf e tipo sanguíneo na internet.

41. Nunca ganhei nada em sorteio, bingo, rifa. Nunca.

42. Durante a minha gestação, não deixei que soubessem meu sexo e olha que minha mãe tentou ver algumas boas vezes. Por esse motivo ela comprou tudo amarelo. A minha vinda foi uma surpresa.

43. Nunca quebrei nenhum osso do corpo. Nem pretendo.

44.  Não sou do tipo de pessoa que “vai na onda”, que “segue a moda”. No meu entender, eu tenho a cabeça no lugar. Então, se eu fizer algo é porque eu quero fazer. O que às vezes não é tão bom, porque eu não levo muito em consideração a opinião alheia. Se eu quiser, eu vou. Se não, não vou. Claro que se tratando de assuntos relevantes, na maioria das vezes e sempre que posso, eu consulto pessoas de referência. (Beijo pai, beijo mãe!)

45. Esse é o terceiro blog que eu crio.

46. Tenho uma caixa com todas as cartas, fotografias e cartões que recebi durante os meus 19 anos.

47. Tenho muita, muita, muita vontade de aprender a atirar. É uma das coisas que pretendo aprender até o final da graduação em Direito.

48. A minha rede social preferida é o twitter. Porque lá ninguém precisa ser feliz o tempo todo, lá eu posso postar “queria estar morta” e ninguém vai me olhar torto ou me mandar pedir perdão a Deus – porque o Senhor sabe que é só força do hábito e que nada quer dizer além de “para o mundo que eu quero descer” ou “para que tá feio”. E, bem, tem o Pe. Fábio de Melo. Preciso mais nem explicar, né?

49. Acreditei fielmente em Papai Noel até os 6 anos de idade. Papai simulava a entrega de presente todos os anos e recebia muita críticas por causa disso.Tadinho!

50. Não me considero uma pessoa inteligente. Me acho esforçada, não inteligente.

T.

#Playlist: Goodbye october, welcome november! ♥

Outubro vai se despedindo, feriadão chegando e novembro também. É quando chega o que, para mim, corresponde a melhor época: o fim de ano. Resolvi receber novembro no interior, na minha primeira casa, debaixo das asas dos meus pais. Depois de assistir uma aula de Direito Civil que parecia não ter fim e uma de Sociologia que passou voando, peguei a estrada junto do meu melhor amigo: meu pai. A viagem de quase duas horas é um momento nosso. Tudo começa no dia anterior à viagem, quando eu me ocupo de preparar a playlist. Dessa vez resolvi compartilhar um tiquinho do som que embalou os risos, os conselhos, os dramas e as batucadas do meu pai no volante, enquanto eu cantarolava num inglês enferrujado.

 01. “Nothing lasts forever…” 

02. “Hello from the other side…”

03. “É uma história que se complicou, eu sem bem o porquê…” 

04. “Band-aids don’t fix bullet holes…” 

05. “Os meus olhos tem a fome do horizonte…” 

06. “Quando a poesia fez folia em minha vida…” 

07. “I just wanna have some fun with you…”

Bom fim de semana, bom feriado e ótimo novembro para vocês. ♥

T.♥

♥ O melhor de julho na internet ♥

melhoresdomesSempre que eu encontro algum texto, música, teoria, vídeo, coisa legal na internet, corro para compartilhar com algum amigo. Não consigo achar algo muito legal e ficar com aquilo só para mim, preciso sempre ter alguém para conversar sobre. Foi baseada na mania que eu resolvi fazer o melhor do mês. Vai ser um post mensal (dã!) e vai reunir os meus achadinhos na internet do respectivo mês. Eu não garanto que as coisas serão todas atuais, pode ser algo de maio que eu só conheci em julho, mas que vou compartilhar mesmo assim. E, sim, eu sei que o post tá um tiquinho atrasado, mas é início de semestre, acabei de voltar das férias e a minha vida já está uma loucura. Julho 2015 rendeu apenas 7 links, mas vale a pena conferir!

1. O alto preço de viver longe de casa.

2. Teoria da PIXAR – Nostalgia.

3. ‘Google Opinion Rewards’ chega ao Brasil e permite que você adquira apps caros sem gastar nada.

4. Se as novelas fossem em Fortaleza… 

5. Se você acha que é pobre, leia esse post.

6. 4 esteriótipos femininos na mídia que você provavelmente não tinha notado 

7. Socorro, não consigo mais ler livros

Fortalezando: Um passeio pelo Passeio Público

Para quem não sabe, há um pouco mais de cinco meses eu mudei para Fortaleza por causa da faculdade. 
Antes, uma breve explicação: para quem não me conhece, até então, eu morava em uma cidade do interior do Ceará, uma cidadezinha do litoral leste, Fortim. Mas essa eu vou apresentar para vocês em outro post. 
Retomando o assunto… o sentimento de mudança vem sempre acompanhado de curiosidade. Eu, uma curiosa por natureza, decidi conhecer um pouco mais e bem de perto a cidade de Fortaleza, minha nova casa. Eu tenho lido muito sobre urbanidades e sou uma apaixonada por Fortaleza desde quando morei aqui pela primeira vez, ainda criança, mas não tive a oportunidade de conhecê-la de perto.  Foi então que eu resolvi conhecer a cidade de uma forma compartilhada. Brinquei com o português, transformando a cidade em um verbo que pode ser conjugado em todas – e por todas – as pessoas. 
A experiência eu resolvi compartilhar aqui no blog. Convido todos vocês que moram em Fortaleza a usarem lá no Instragram a hashtag #Fortalezando nas fotos tiradas pela cidade. Vou tentar selecionar algumas (ou todas!) mensalmente e postá-las aqui.

O primeiro local escolhido foi o Passeio Público. Na verdade, ele quem me escolheu. A visita a Praça dos Mártires – como também é conhecido o local – foi totalmente espontânea. Estávamos eu, minha prima e o tio dela – que eu também adotei como meu – voltando das compras, em pleno sábado à tarde, quando ele pergunta “conhece o Passeio Público, Thaís?”.
Bastou um “não” ressentido da minha parte para ele dizer “pois vai conhecer agora!” ♥
O Passeio Público é um local lindo, que está lá desde sempre, mas que é pouco visto e pouco visitado. A cidade precisa ser ocupada.



A ideia é que os posts da série “Fortalezando” sejam mais fotográficos, que as fotos falem por si só. Como foi um passeio “não-combinado”, não pude levar a câmera e as fotos são todas de celular. As fotos não foram planejadas por isso eu estou em quase todas. Créditos as Thaís Rodrigues pela mania de ficar me fotografando direto sem que eu veja. Haha!, obrigada pelas fotos, T1. Meu eterno agradecimento ao tio Ronaldo, o melhor guia turístico de toda Fortaleza!

Como se organizar durante o ano de pré-vestibular

Quem me conhece sabe que o meu ensino médio foi uma verdadeira batalha travada contra o vestibular, mais precisamente, contra o ENEM. Eu prestei ENEM três vezes, duas como treineira e uma para valer. Desde que eu me entendo por gente, sonho em cursar Direito e eu lutei muito por esse sonho. De início, eu queria muito, muito mesmo, cursar Direito na Federal do Ceará. Só que, infelizmente, não rolou. Mesmo não conseguindo a tão sonhada aprovação na UFC, eu consegui ser aprovada em Direito na Estadual do RN e em duas particulares. Entre as três aprovações, eu optei por cursar Direito na Faculdade Farias Brito em Fortaleza e estou satisfeitíssima. Se você não acredita em Deus, eu acredito e acredito que ele escreva mesmo certo por linhas tortas. Enfim, o post não é sobre o rumo da minha vida acadêmica, é sobre como eu me preparei para iniciar uma. No colégio eu era bem conhecida pela forma como eu organizava os meus estudos. Graças a Nat, minha grande mentora no mundo do pré-vestibular, eu aprendi a ter horários bem definidos, o que foi de grande importância para as minhas aprovações. Desde o primeiro ano do ensino médio eu tinha a minha rotina bem definida e pautada naquilo que eu mais tinha dificuldade (exatas, claro). Então, vai algumas dicas para quem está na batalha:


♥ Primeiro: eu tinha dois cadernos para o colégio. Um para humanas, linguagens e redação. Outro para exatas e biológicas. A divisão me ajudou muito.

♥ Segundo: eu trabalhava com o esquema “aula dada, aula revisada”. Vocês podem reparar no meu horário (disponível aqui) que a cada aula que eu tinha no dia, eu reservava uma hora para revisar o que nela fora dado.

♥ Terceiro: como eu tinha dificuldade em Matemática, Química e Física, todos os dias eu estudava junto com um professor particular (e eu tinha o melhor <3) pelo menos uma das três disciplinas. Esse estudo era baseado em resolução de exercício, ele explicava a matéria, passava lista e, no que eu tinha dificuldade, ele me ajudava. O bom de ter um professor fora do colégio é que você tem a oportunidade de ver a mesma matéria de ângulos diferentes, já que as metodologias sempre são diferentes. Para quem não pode pagar professor particular, eu indico o Descomplica (grande salvador da pátria) <3! Sai bem mais em conta. Eu usei o Descomplica por dois anos e, pelo menos para mim, foi o grande diferencial. Eu indico, principalmente, para quem precisa de uma super força em redação, linguagens e humanas. Aulas diárias, monitoria, MELHORES PROFESSORES EVER, alegria e descontração – o que é muito importante no ano de pré.

♥ Quarto: fazer exercícios. É o mais importante. A fixação do conteúdo acontece na prática, então quanto mais questões você puder fazer, melhor será o seu rendimento. RESOLVA EXERCÍCIOS. Everyday. Everynight. Everywhere. Eu super indico o Projeto Medicina para quem não tem muitos exercícios. Eles disponibilizam listas grátis, é só baixar e imprimir.

♥ Quinto: saber o que acontece no mundo. Seria bom se você pudesse assistir ou ler jornal, porém como eu não tinha tanto tempo, eu comprei durante três ano o Almanaque da Abril. É um livro que a Abril lança no começo do ano, onde contém os acontecimentos mais importantes do ano passado e ótimos resumos sobre política, história, geografia, atualidades e afins. Vale a pena investir. Quando eu comprava, custava entre 40 a 50 reais. Da última vez que e comprei, além do livro vinha uma senha de acesso ao conteúdo digital deles. Muito bom.

♥ Sexto: trabalhe com resumos feitos por você. Eles vão quebrar um galho enorme no período de revisão. 

Qualquer dúvida ou pergunta, só me procurar na page do blog lá no Facebook ou no meu perfil pessoal. Eu garanto que se vocês pegarem essas dicas e adaptarem ao modo de vida de vocês –  pois cada um tem um ritmo diferente e afazeres diferentes – o aproveitamento vai ser maior e o resultados serão ainda melhores. Boa sorte para todo mundo que está na luta, força sempre e não desistam! ♥

Por fim, porém não menos importante, eu gostaria de dedicar o post aos meus amigos que vão enfrentar o vestibular esse ano: Bia, Gio e Rob, não tem para concorrência esse ano. ♥